segunda-feira, 29 de setembro de 2014

"Sailor Moon" 4, de Naoko Takeuchi


Neste mangá de Naoko Takeuchi nos surpreende pela trama ao lembrar dos conflitos explorados em ficções científicas e literatura do período de Guerra Fria, que deixa explicito que um lado é mal e o outro é bom. O contexto da Guerra Fria trouxe para o mundo dos quadrinhos, livros e telas várias representações da bipolaridade entre os regimes disputavam melhor convencimento e provação de sucesso de seus regimes. Exemplos conhecidos destas representações são: 

-Caveira vermelha e Capitão América 
  
Sendo que o Caveira Vermelha representava o lado soviético e o Capitão América representava o lado capitalista defendido pelos Estados Unidos nesta representação.

- 007:  Moscou contra 007



Neste filme assim como muitos filmes feitos no período da Guerra Fria utilizaram a disputa ideológica pela "melhor" forma de governança aplicando medidas de sabotagem, como: implantar espiões no lado capitalista. Este estilo de filme também tornou gênero chamado Noir que normalmente esta em preto e branco e possui uma mulher "femme fatale" que engana o protagonista homem. Mostrando uma construção bem sexista dos papéis, pois a "femme fatale" sempre se mostra uma mulher independente e nesta época questões sobre libertação dos direitos das mulheres ainda era discutido.

- Casei com um comunista - Philip Roth
Este é um exemplo de como se temia a vinda deste outro modelo político em países e culturas governadas por capitalistas.

Acredito que este medo pelo outro e pelo desconhecido traz neste mangá o mistério e a adrenalina para lermos o mangá seguinte. Não quero discutir aqui se isto é correto ou não e se isto é um assunto batido, mas vejo neste resgate uma forma cômica de trabalhar como tememos sem não conhecemos, que é capaz de atribuirmos tudo que dá de errado há alguém ou algo. Achei engraçado a autora resgatar esta bipolaridade depois de anos do fim da divisão efetuada pelo muro de Berlim. Acredito que o tema tem muito para ser revisto da forma que a autora faz que é de maneira crítica, irônica e cômica.

2 comentários:

  1. Veja bem, não sou anônimo, sou o Miguel, mas não entendo essa tabela que voces usam, já tentei utilizar em outras ocasiões e não consegui. Bem, estranho muito que vocês façam uma resenha do mangá sem resenhá-lo, sem nada comentar de seu conteúdo. Não tem nada a ver com a guerra fria, o bem e o mal existem metafisicamente, e é claro que podemos discernir um do outro. Sailor Moon é uma saga de conotação religiosa. A heroína é mística. Isso é bastante evidente. um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Miguel, não uso nenhuma tabela. Como os mangás são uma série e não gosto de falar spoiler, eu tento ao máximo dar a ambientação do que acontece para quem estiver interessado em ler.
      Desculpa se não concorda comigo, mas a minha escrita é feita através da minha perspectiva e para mim sim...este mangá está cheio de referências a guerra fria! Se não concorda e leu o mangá tudo bem. Mas vir aqui apenas falar que minha perspectiva está errada é um erro, pois acredito que cada um tem perspectivas diferentes e não existe algo errado.
      Não desmerecendo o que acredita ser o Sailor Moon, mas se lesse este volume talvez repensasse o que disse, pois nele por em xeque se elas são reencarnações das guardiãs (pessoas normais e mágicas) ou são alienígenas...Só peço que não venha aqui me criticar sem ao menos ler o mangá, ok?
      Desejo ótimas leituras, independente do gênero de leitura!
      Beijo

      Excluir