quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Em cartaz nos cinemas: "Violette" Leduc


        Soube através de uma página sobre Simone de Beauvoir nas redes sociais que o filme "Violette" estreará hoje no Brasil, no dia 28 de Agosto de 2014, porém a estreia mundial foi em 6 de Novembro de 2013. Confesso que de início não sobre o que era este filme, porém ao ver o trailer do filme pude compreender a conexão da página de Simone de Beauvoir com "Violette". 
     O filme se refere a Violette Leduc, uma escritora francesa próxima a Simone de Beauvoir que sofreu censura em seus livros por conter conteúdo erótico de homossexualidade feminina. Aparentemente o que dá para entender com o trailer é que irão trabalhar com a representação da escritora Violette e a ambientação do qual ela produziu suas obras.


      Após adorar saber desta descoberta de uma nova autora próxima de muitos autores que admiro e gosto, como: Jean Paul Sartre, e a Simone de Beauvoir. Tive interesse de ler obras de Violette Leduc para que minhas impressões não ficassem presas ao que conheço de Beauvoir e Sartre e apenas encontrei dois livros em português que são: "A Bastarda" que foi publicado em 1964, que segundo um site diz que foi "publicado no Brasil inicialmente na década de 60, o livro foi reeditado nos anos 80. Hoje encontra-se fora de catálogo, só podendo ser encontrado em sebos."; e o livro "Teresa e Isabel" publicado em 1966 que pelo que entendi fazia parte do livro "Destroços" que contava com "três experiências amorosas e sexuais" entre elas: "a paixão por Isabel, o relacionamento com Denise, o encontro com Jacques Mercier, com quem foi casada por um breve período que terminou com sua tentativa de suicídio e um aborto. Os editores consideraram demasiado chocante a parte inicial (seu envolvimento com Isabel) e recusaram o manuscrito. Mutilado, o livro foi reescrito inúmeras vezes ao longo de 6 anos até ser aceito pela editora (não sem diversos cortes) em 1955." Não sei até que ponto estas informações se relacionam a biografia de Violette ou como sua escrita efetivamente aconteceu, porém outra questão que acho necessária de levantarmos com a vinda deste filme ao Brasil que é: Por quê não houveram outras publicações no Brasil desta autora? Vejo um vazio de representatividade de autores que falam sobre a questão de gênero/sexualidade que saiam do posicionamento heterossexual. Acredito que hoje exista mais livros sobre estas representações, mas ainda vejo um conservadorístico incrustado na política brasileira que impede o livre-arbítrio e direitos humanos de cada pessoa. Um exemplo que mostra ainda este conservador de política é o discurso de Jair Bolsonaro sobre as pessoas que não são heterossexuais.



  A discussão não vai ser finalizada aqui. Acredito que este pensamento conservador impede o direito do outro de viver sua vida e usufrui-la. Acho importantíssimo esta discussão não só por grupos LGBTTT, mas a sociedade em geral, pois apesar de muitos pensarem que questões de direitos humanos incluírem a todos, a realidade é outra. Exemplo disto, o direito de voto e direitos civis da mulher só foi conquistado no século XX. Imaginem que a conquista de direitos humanos para quem é marginalizado e inferiorizado é bem mais complicada de ser obtida e respeitada.

   Desejo com este post que as pessoas que gostassem ou que se interessaram pela temática deem espaço a leituras que ampliassem  a visão sobre a diversidade de gênero. Além de indicar este filme que fez eu me interessar em postar sobre este assunto. Desejo ler livros desta autora e outros sobre discussões de gênero pela literatura e pelas artes. Se alguém tiver alguma indicação, por favor compartilhe nos comentários. Eu irei gostar muito de ter outras leituras sobre este assunto.

4 comentários:

  1. quero muito ver esse filme e principalmente ler os livros dela. Excelente dica! Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, eu fico muito feliz por compartilhar de minha empolgação para conhecer mais sobre Violette Leduc. Eu vi nesta semana o filme e fiquei com mais vontade de ler os livros dela. O filme é bem feito e bem bonito por transmitir sentimentos tão introspectivos da autora e realmente o filme pretende trabalhar com o processo criativo da escrita de Leduc.
      De nada!
      Sinta-se a vontade para comentar e visitar o blog!
      Espero que goste do filme e tenha ótimas leituras!
      Beijos!

      Excluir
  2. Eu nunca tinha ouvido falar dela Jéssica. Vou ver se o filme está em cartaz aqui.
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se está mais em cartaz, mas espero muito que consiga ver! O filme me esclareceu muito sobre a autora e soube mais sobre quais livros dela que desejo ler.
      Beijos!
      Bom filme!

      Excluir